Amigos

31 de mai de 2011

Náu-sea

Escrevo das minhas entranhas
como quem vomita de súbito
a sopa da semana passada
depois é só copiar as letrinhas

Guilherme Fontoura.

25 de mai de 2011

Poema para embrulho de Natal

Entre o claro e o escuro
Sempre há um
Espectro


No meio do ruim e do bom
Sempre há
O homem


No meio do silêncio e do som
Sempre há
Esperança


Entre a vida e a morte
Sempre há um
Talvez


Guilherme Fontoura.

3 de mai de 2011

Cachaça

Poema
     sem rima
         é como um texto
        in verso
     que se lê
  como se toma
cachaça